Jovens hiperativos tomam fármacos em excesso

Numa entrevista ao jornal “Público”, o bastonário da Ordem dos Psicólogos lembrou que existe um consumo excessivo de fármacos junto de crianças e jovens que alegadamente sofrem de hiperatividade.

Francisco Miranda Rodrigues referiu que a medicação não deve ser a primeira opção nestas situações. “São exceções os casos em que a primeira linha, pela gravidade ou pela tipologia da situação, necessita efetivamente de intervenção farmacológica”. Segundo o bastonário “há formas de trabalharmos isso e os psicólogos podem ajudar, para que os alunos desenvolvam estratégias para controlar a ansiedade”.

A Direção-Geral da Educação anunciou que serão canalizadas verbas para a contratação de mais de 200 psicólogos para trabalharem em escolas, no próximo ano letivo. O bastonário dos psicólogos recorda que o Estado se comprometeu a atingir o rácio de um psicólogo por 1.100 alunos, nas escolas públicas.

19-06-2017